Liberdade para todos

revista-valor-compartilhado-terceiro-setor-liberdade-para-todos-1Setubinha, localizada no Vale do Mucuri, em Minas Gerais, já foi a cidade com o pior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do estado, segundo dados do Censo de 2000. Ao fazer uma visita, em julho de 2014, e equipe do CeMAIS – Centro Mineiro de Alianças Intersetoriais constatou uma realidade muito interessante de vitalidade, garra e sonhos de um mundo melhor. Na ocasião, os moradores disseram que Setubinha estava melhorando, já não era mais o pior IDH e sim o sétimo. Ainda é muito pouco, mas há uma tentativa incansável de avançar. O município foi escolhido para receber o projeto Liberdade para Todos, entre dezembro de 2014 e julho de 2015.

Por seu caráter de participação intersetorial, envolvendo comunidade, poder público, rede de garantia de direitos, igreja, grupos organizados de jovens, de casais, pastorais, agentes de saúde e recursos de âmbito nacional e estadual, e por seus resultados concretos, o projeto já está sendo preparado para ampliar-se em duas vertentes. Uma para a mesma região, multiplicando as ações realizadas, e outro levando fortalecimento para as organizações comunitárias de dez municípios de baixo Índice de Desenvolvimento Humano, por meio da Jornada do Conhecimento Compartilhado – curso de formação para gestores de organizações promovido pelo CeMAIS.

Ao visitar cada casa, cada sítio, cada família de um dos lugarejos mais pobres da cidade, foi possível constatar que combater a desnutrição é uma tarefa de todos, que os jovens têm sonhos concretos de estudar, fazer faculdade e ter uma profissão. Todos expressavam brilho no olhar ao falar disso e mostrar suas bicicletas e motos para percorrer muitos quilômetros a fim de cumprir a missão de estudar. No entanto, poucos souberam dizer qual profissão desejavam seguir, talvez por não conhecerem quase nenhuma.

Também foram identificadas situações que alertaram para a presença de graves problemas sociais. Muitas vezes, os chefes de família ficam meses fora de casa trabalhando em cidades maiores ou nas colheitas da região. Encontram-se por lá muitas mulheres sofridas pelo trabalho e com marcas da violência moral ou física. É possível perceber a vulnerabilidade dessas famílias em relação ao trabalho escravo, exploração sexual, tráfico humano e demais formas de violação de direitos.

Preocupados com essa realidade, o CeMAIS buscou uma forma de atuar no fortalecimento da comunidade, e encontrou um edital da Cáritas que se encaixava perfeitamente. Foi criado, então, o projeto “Liberdade para Todos”. Um projeto pequeno, rápido, mas que envolveu vários profissionais comprometidos com a garantia de direitos, e principalmente, a comunidade que acolheu e abraçou o projeto com grande interesse e empenho.

Foram seis encontros que tiveram a participação de mais de 200 pessoas de 24 comunidades rurais e da sede do município. Foram evolvidos também os recursos locais, como a Igreja Católica que realizou toda a mobilização de pessoas e recursos locais, os agentes de saúde e das pastorais, os equipamentos sociais como CRAS, CMDCA, Conselho Tutelar, Polícia Militar, que participaram de reuniões de formação, além do envolvimento de parceiros estaduais como a Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Sociais (Cimos) do Ministério Público de Minas Gerais e o Programa de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

O projeto foi encerrado em agosto, com uma linda celebração e uma festa da comunidade organizada pelos jovens, com teatro, música e dança que emocionaram os participantes pela dimensão e profundidade com que transmitiram o tema trabalhado durante o projeto.

Agora o desafio do CeMAIS é ainda maior de ampliar o projeto e fortalecer as organizações e as relações intersetoriais da região, com o objetivo de garantir direitos e melhorar o Índice de Desenvolvimento Humano.

revista-valor-compartilhado-terceiro-setor-liberdade-para-todos


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top ↑