Articula!

revista-valor-compartilhado-gustavo-campos

Gustavo Campos, secretário municipal de Turismo e Meio Ambiente de Santana do Riacho

 

No cargo há pouco mais de um ano, Gustavo Henrique de Souza Campos fala com propriedade sobre a região: “Santana do Riacho é um município especial, tem 80% de seu território em unidades de conservação federais, onde estão as nascentes do Rio Cipó, rio de proteção permanente e de classe especial, responsável pela purificação da bacia do Rio São Francisco”. Ele não tem dúvida: “tem que se planejar muito bem para que o desenvolvimento seja realmente sustentável”.

É com alegria que comenta sobre o Fórum de Desenvolvimento Regional da Serra do Cipó, criado por lideranças locais para ser uma instância de governança da região sem estar diretamente ligada a nenhuma organização. É aberto a todos interessados em ajudar a planejar melhor o futuro da região. A iniciativa nasceu após líderes da comunidade participarem de um programa de turismo realizado pelo Sebrae-MG com o apoio da Secretaria Municipal.

No Fórum de Desenvolvimento Regional da Serra do Cipó, as políticas públicas são criadas de forma participativa. Já foram traçados planos de ação de curto, médio e longo prazo, entendendo como principal atividade econômica o turismo sustentável. Tais planos são aplicados há um ano pela Secretaria Municipal de Turismo e Meio Ambiente, pela gestão local do ICMBIO e por todas as associações e entidades participantes.

Campos explica que fortalecer a sociedade civil organizada é um dos focos do plano de ação e por isso várias atividades nesse sentido já foram desenvolvidas com diferentes tipos de associações, desde comercial, comunitárias, de atrativos, de artesãos a produtores rurais e conselhos municipais. “Com uma sociedade civil organizada e participativa, o projeto definido pela comunidade será mantido independente da interferência da gestão pública que pode mudar a cada 4 anos. A sociedade tem que assumir seu papel e não ficar dependendo somente do poder público, e sim somar esforços, fazendo que sejam representados e que participem de verdade de todos os processos de decisão”, acredita o secretário.

Um exemplo de resultado foi o nascimento da Atratur Cipó, uma associação de gestores e proprietários de terras com atrativos naturais e histórico-culturais. O objetivo da associação é o ordenamento turístico com base nos atrativos locais e a criação de uma legislação municipal e estadual para a regulamentação da atividade de gestão sustentável de atrativos turísticos. “O município e o estado de Minas Gerais não possuem hoje legislação específica para regulamentar esta importante atividade. A proposta de Santana do Riacho é construir essa legislação junto com a comunidade e o grupo de gestores e proprietários de atrativos, ouvindo a realidade e as dificuldades de todos os lados”, conta Campos.

Segundo ele, a Atratur Cipó e a Prefeitura de Santana do Riacho se preocupam atualmente em construir um plano de manejo das áreas particulares a serem exploradas turisticamente, definindo: quantidade de visitações permitidas por período sem degradar; regras de visitação; exigência de salva-vidas para balneários; condutores capacitados para atividades de risco e de orientação ao visitante; saneamento básico adequado; correta destinação do lixo gerado; manutenção e aperfeiçoamento da infraestrutura existente; sinalização eficiente; preservação ambiental, inclusão da comunidade no processo e ainda serem economicamente viáveis.

O Fórum de Desenvolvimento Regional da Serra do Cipó começou em Santana do Riacho, mas visa se expandir para os municípios vizinhos, uma vez que compartilham muito em comum. “Fazemos parte de uma região rica em história, cultura e muita natureza. Somos parte de uma importante reserva da biosfera, reconhecida pela Unesco como Patrimônio da Humanidade. A reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço vem sofrendo muito com o crescimento desordenado, especulação imobiliária e grandes empreendimentos de mineração. Por isso a urgente necessidade de planejar para preservar antes que seja tarde”, enfatiza Campos.

De acordo com Campos, Santana do Riacho e seus distritos, Serra do Cipó e Lapinha da Serra, ficaram famosos por suas inúmeras cachoeiras e assim definidos como um destino de balneário. “Somos muito mais que isso. Somos a porta de entrada para o Parque Nacional da Serra do Cipó, um dos mais pesquisados do Brasil por sua rica biodiversidade; temos uns dos mais antigos e preservados sítios arqueológicos; temos cultura tradicional viva; um dos mais importantes complexos de escalada esportiva da América do Sul; geografia perfeita para a prática de trekking, mountain bike, montanhismo e canoagem; infraestrutura de hotéis, pousadas e restaurantes e estamos a 100km da capital mineira e apenas 70km do Aeroporto Internacional”, acrescenta.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top ↑